Cause impacto global

Vozes do Rotary

impacto-global

A atuação em Serviços Internacionais dá aos rotarianos a oportunidade de fazerem amizades e fortalecerem o lugar onde vivem. Para isso, vale a pena participar de feiras de projetos para causar impacto global.

Com alcance regional, estas feiras fomentam a colaboração em Serviços Internacionais, oferecendo oportunidades únicas aos participantes para aprenderem mais sobre sua região, conhecerem gente nova e formarem parceria com clubes de outros países. Elas constituem um excelente meio para divulgar projetos de clube e distrito, ao mesmo tempo em que chamam a atenção para as necessidades mais prementes das comunidades envolvidas.

Ver o post original 113 mais palavras

Dilema ético: o que você faria?

Como presidente dos serviços profissionais do clube, sua função é engajar jovens profissionais por meio de projetos de consultoria e aconselhamento profissional. Você gostaria que mais associados do clube participassem dessas iniciativas porque muitos dos jovens profissionais orientados estão apenas começando suas carreiras, e você quer apresentar-lhes o Rotary e tudo o que ele oferece. Você gostaria de ver os jovens profissionais se unirem ao seu clube, mas eles comentaram que não podem comparecer às reuniões devido aos custos e ao horário inconveniente.

Então, você propõe aos líderes do clube que o horário e o local sejam alterados e apresenta uma opção de custo reduzido para atrair jovens líderes. Os jovens profissionais mencionaram que gostam de se encontrar em um bar na região. Você sugere que o clube comece a fazer reuniões nesse bar, onde bebidas e alimentos são opcionais, tornando-as mais acessíveis para potenciais membros. Os líderes do seu clube se opõem a essa ideia, acreditando que ela afastará os membros atuais que não se sentem confortáveis nesse local. Você acredita que essas mudanças atrairão jovens profissionais para o clube, ajudando os membros a se envolverem mais com eles.

O que você faria?

___

Se você deseja enviar um dilema ético para discussão, entre em contato conosco pelo e-mail rotary.service@rotary.org.

Pela saúde de mães e filhos

Vozes do Rotary

Estima-se que quase seis milhões de crianças com menos de cinco anos morram todos os anos em decorrência de desnutrição, falta de assistência médica e condições precárias de saneamento – problemas que podem ser totalmente evitados.

20120530_UA_024

Como abril é o Mês da Saúde Materno-infantil no Rotary, nada mais justo do que celebrar o belo trabalho que os nossos associados fazem pelo mundo afora para garantir uma vida mais próspera e saudável a mães e filhos:

  • Os Rotary Clubs de São José do Rio Preto-Alvorada e São José do Rio Preto-Novo Cinquentenário, junto com dois clubes de Hong Kong, forneceram uma unidade móvel de coleta de leite humano para ampliar o volume coletado localmente e atender uma população maior de crianças.
  • O Rotary Club de Metro East Taytay, nas Filipinas, fez parceria com profissionais da área médica para prestar atendimento gratuito a mais de cem mulheres carentes.
  • Para combater os altos índices…

Ver o post original 108 mais palavras

Mudança de realidade com acesso a sanitários

Por Clem van den Bersselaar, associado do Rotary Club de Ormoc Bay (Filipinas)

Se você perguntar a um filipino que mora na zona rural do país onde ele faz as suas necessidades, provavelmente ele virará a cabeça para um lado qualquer e dirá: “por aí”. Isso significa que qualquer local com o mínimo de privacidade vira seu banheiro. Já as mulheres têm que percorrer distâncias mais longas para evitar olhares curiosos e agressões. Na verdade, quando os agentes de saúde falam sobre os riscos da defecação a céu aberto, eles mencionam obviamente as infecções parasitárias e bacterianas, mas também enfatizam a alta porcentagem de mulheres molestadas ou assediadas.

Em novembro de 2013, parte da província de Leyte, nas Filipinas, foi atingida pelo devastador tufão Haiyan, o pior na história do país. O vendaval afetou 25 milhões e matou quase 6.000 pessoas, causando um enorme prejuízo em toda a ilha.

Logo após o tufão, Rotary Clubs de vários países prestaram socorro. Eles doaram mantimentos e trabalharam com ONGs para reconstruir casas. Depois que a assistência imediata foi prestada, o foco mudou para a restauração do abastecimento de água e construção de instalações sanitárias.

O Rotary Club de Ormoc Bay identificou a Fundação WAND e várias ONGs da província de Samar para construir 20.000 latrinas. Os contatos prévios da Fundação WAND com o Rotary Club de Malmö International, na Suécia, fizeram com que fosse mais fácil apresentar este projeto no 8º Workshop Multiclubes, realizado em Ischia, na Itália. O projeto foi aceito e os parceiros solicitaram um Subsídio Global, aprovado em fevereiro de 2016. Sete Rotary Clubs e três distritos da Itália, Filipinas e Suécia contribuíram para o projeto, no valor de US$ 52.000.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A iniciativa englobou a construção de 222 banheiros em vários barangays (pequenas unidades governamentais das Filipinas), seis coletores de água da chuva, sete estações comunais de lavagem das mãos, 20 filtros bioareia e seminários para as comunidades beneficiárias. Como resultado, quase 1.100 pessoas agora têm acesso a instalações sanitárias adequadas e cerca de 600 possuem abastecimento regular de água potável. O seminário incluiu uma série de discussões em grupo e um workshop para demonstrar que práticas podem prevenir a contaminação hídrica e ilustrar a conexão entre água, saneamento e higiene. Também foram abordados os custos médicos relacionados à defecação a céu aberto, a fim de ajudar a comunidade a entender quanto dinheiro é gasto no tratamento de doenças resultantes da falta de higiene e saneamento.

Estamos felizes em informar que as comunidades beneficiárias não tiveram um único caso de infecções parasitárias ou diarreicas desde que o projeto foi concluído. Agora, quando alguém pergunta onde eles fazem as necessidades, os moradores dizem: “aqui”!

Quer apoiar um projeto internacional? Participe do Workshop Multiclubes de 2017, em Londres, na Inglaterra. O 11º evento anual será realizado de 6 a 10 de setembro. Saiba mais e acesse o  website para mais informações. 

 

Entre em ação no Mês dos Recursos Hídricos e Saneamento

Água limpa e saneamento básico são direitos de todo ser humano. Os rotarianos ajudam diversas comunidades com projetos hídricos e treinamentos sobre bons hábitos de higiene para que as pessoas, sobretudo crianças, possam ter uma vida mais saudável e próspera.

Em março, Mês dos Recursos Hídricos e Saneamento, incentivamos nossos associados a trabalharem em prol do objetivo do Rotary de fornecer água e saneamento para todos até 2030. Veja a seguir alguns exemplos de projetos que podem servir de inspiração:

  • No Nepal, o Rotary Club de Durbarmarg colaborou com os Rotaract Clubs de Phulbari e Eco-Himal Nepal para fornecer água potável a estudantes de uma escola pública. Como os alunos bebiam água contaminada diretamente da fonte, os rotarianos instalaram 14 filtros de cerâmica aprimorados com prata coloidal.
  • Nas Filipinas, o Rotary Club de Lubang Island deu treinamento sobre lavagem das mãos e técnicas sanitárias para mães e crianças de regiões rurais. Como a comunidade usava água de um rio e não lavava as mãos regularmente, os rotarianos explicaram a importância de mantê-las limpas e, ao mesmo tempo, conservar água.
  • Como a Universidade Ladoke Akintola, na Nigéria, não tinha sanitários suficientes, os alunos eram forçados a correr para casa se precisassem ir ao banheiro. Diante desta realidade, o Rotaract Club de Ladoke Akintola University of Technology (LAUTECH) Ogbomosho decidiu reformar um banheiro abandonado no campus. Eles usaram água de um reservatório da própria instituição de ensino, limparam e pintaram as instalações (três banheiros masculinos e três femininos). A faculdade cuida da manutenção.
  • O Rotary Club de Loja Los Zarzas, no Equador, se propôs a fornecer água limpa para a província de Loja e melhorar as condições de vida de 50 famílias. Os rotarianos instalaram uma pequena bomba d’água que funciona com energia solar, um tanque de abastecimento, um banheiro, um sistema de tratamento de esgoto e, depois, criaram uma horta irrigada por águas cinzas.
  • Na Índia, os moradores da aldeia de Kolawade estavam consumindo água não tratada que chegava a eles por meio de uma tubulação enferrujada instalada 40 anos atrás. Os Rotary Clubs de Pune Central e Pune Kothrud se uniram para trocar o encanamento e dar a 1.200 pessoas acesso a água limpa.

Como o seu clube ou distrito está aumentando o acesso a água e saneamento? Deixe um comentário abaixo. E lembre-se de divulgar o seu projeto no Rotary Showcase e participar de um dos nossos grupos de discussão. Para se inspirar, leia mais histórias sobre recursos hídricos e saneamento.

Como minha primeira viagem à África mudou a minha vida

Por Shapreka Clarke, presidente do Rotaract Club de Eleuthera, Bahamas

Depois de 18 horas de voo, finalmente cheguei a Port Harcourt, na Nigéria, no dia 19 de outubro de 2016, para participar da 11ª Feira de Projetos da África Ocidental. Quando pisei em solo africano, não imaginava a aventura que estava à minha frente, as amizades que faria e como minha vida mudaria para sempre. Naquele momento, ao sair do avião, estava muito animada e um pouco nervosa.

Graças ao patrocínio do Rotary Club de Rancho Cotati, na Califórnia, pude embarcar nesta viagem com 34 rotarianos e rotaractianos dos Estados Unidos e das Bahamas. Em Port Harcourt, participamos da feira de projetos e de iniciativas comunitárias, e visitamos uma clínica que fornecia medicamentos gratuitos e uma escola onde distribuímos mochilas aos alunos. Também conhecemos lugares históricos e experimentamos muitas delícias da culinária local.

A Feira de Projetos da África Ocidental, o principal objetivo da nossa viagem, deu ao grupo a oportunidade de conhecer várias iniciativas e formar parcerias. Durante a feira, fiz uma apresentação com rotaractianos e rotarianos das Bahamas, Califórnia e Yenagoa (na Nigéria) sobre o nosso Projeto de Telemedicina, que permite a médicos da Califórnia se conectarem com colegas de áreas menos favorecidas para discutirem diagnósticos e planos de tratamento. Apesar da distância, os doutores têm acesso consistente a mentores e oportunidades educacionais. Nosso estande aumentou a conscientização sobre o projeto e incentivou os clubes da África a participarem e a formarem novas parcerias com clubes dos Estados Unidos.

Um dos destaques da viagem foi o Dia Mundial de Combate à Pólio. Nosso grupo, acompanhado por outros rotarianos e rotaractianos, começou o dia com uma caminhada de um quilômetro por Port Harcourt. Este passeio nos deu a oportunidade de conhecer a cidade e promover a erradicação da pólio. Jogadores de futebol paralímpico também nos acompanharam e, no final do dia, participaram de um jogo. Ver esses atletas em ação, apesar de suas deficiências, foi realmente inspirador.

Após a caminhada, visitamos postos de imunização contra a poliomielite em Port Harcourt, onde vacinamos crianças com menos de cinco anos de idade. Imunizar uma criança e ajudar a Nigéria a chegar mais perto da erradicação foi uma experiência incrível que jamais esquecerei.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Esta viagem me permitiu entender melhor a importância do Rotary em outras partes do mundo. Tive a chance de participar de ações sociais, fazer amizade com rotarianos e rotaractianos da África Ocidental e me envolver em iniciativas locais em prol da saúde. Foi realmente uma experiência transformadora!

A Feira de Projetos da África Ocidental de 2017 será realizada em Accra, Gana, de 4 a 11 de outubro. Para mais informações, visite www.rotarywestafricaprojectfair.org; para se inscrever, envie um e-mail a registration@rotarywestafricaprojectfair.org.

Os voluntários do Peace Corps mudaram minha visão do mundo

Pelo governador eleito Abbas Rajabi, Distrito 5450, EUA

O Peace Corps envia voluntários norte-americanos, normalmente universitários que acabaram de se formar, para viver e trabalhar por dois anos no exterior. O objetivo é ajudar os países anfitriões a atender às necessidades locais e promover a compreensão cultural mútua. Enquanto estão no exterior, os voluntários aprendem o idioma local e trabalham com profissionais da área de educação, saúde, desenvolvimento econômico, meio ambiente, juventude em desenvolvimento e agricultura.

Meu primeiro encontro com o Peace Corps foi quando eu estava no colégio, em meados da década de 60. Diversos voluntários do Peace Corps vieram até a minha cidade natal de Hamadan no Irã para trabalhar como professores nas escolas locais de ensino médio. O impacto disso foi profundo. Foi muito inspirador ver vários jovens trabalhando em conjunto para ensinar inglês em diferentes escolas por toda a cidade. Mais do que isso, ver as diferenças culturais foi algo que abriu os olhos de todos nós, jovens iranianos.

Sem dúvida, aqueles voluntários do Peace Corps que serviram no Irã conhecem melhor o país do que talvez qualquer outra pessoa que apenas tenha passado por lá. Aqueles de nós que tiveram a oportunidade de aprender com esses professores entendem os Estados Unidos melhor do que outras pessoas de Hamadan. Esse intercâmbio cultural nos ajudou tanto a aprender sobre o outro, como a promover a paz e a boa vontade.

Entre 1962 e 1976, mais de 1500 voluntários do Peace Corps serviram no Irã. Muitos deles fizeram amizades duradouras com os iranianos e voltaram para os Estados Unidos com uma melhor compreensão cultural do Irã. O impacto cultural e as amizades entre iranianos e americanos são muito mais profundos do que a maioria das pessoas vai um dia entender.

Tenho conexões muito profundas com meu local de nascimento no Irã, mas agora vivo nos Estados Unidos. Aprendi a amar meu novo país e o Peace Corps foi o primeiro a moldar meu ponto de vista sobre esse país e as pessoas que vivem aqui.

Recentemente, procurei me reconectar com meu professor do Peace Corps, o Sr. Don Laffoon. Depois de muitas tentativas de ligações e de escrever para diversos voluntários do Peace Corps, finalmente encontrei meu antigo professor na Califórnia. Liguei para o número de telefone que tinha encontrado e o Sr. Laffoon atendeu o telefone. Por instantes, fiquei nostálgico e emocionado por ouvir uma voz tão familiar depois de quase 50 anos.

“Olá, quem é?”, perguntou o Sr. Lafffoon. Respondi: “Aqui é Abbas Rajabi. Fui seu aluno em Hamadan e gostaria de dizer que sou grato por tudo o que você me ensinou”.

Ele ficou muito feliz por ter notícias minhas e relembramos aquela época, outros colegas e professores e a cidade de Hamadan. Conversamos por um tempo e prometemos continuar em contato. Foi muito gratificante poder contar ao Sr. Lafffoon sobre o impacto que ele causou na minha vida.

Através de uma parceria de serviço formalizada, o Rotary International e o Peace Corps estão trabalhando juntos para ajudar a melhorar as atividades de serviço de clubes e distritos localmente e em todo o mundo. Espero aprofundar ainda mais essa parceria, ajudando a conectar rotarianos com os voluntários locais do Peace Corps que vivem e trabalham em suas comunidades, e ajudando os clubes dos EUA a se conectar com voluntários regressados do Peace Corps. Cada distrito rotário, todos os voluntários do Peace Corps em todo o mundo e, o mais importante, as pessoas que servimos através da nossa comunidade e de projetos humanitários internacionais podem se beneficiar imensamente com essa parceria.

Queremos saber mais sobre rotarianos que tiveram experiências trabalhando com o Peace Corps! Você já serviu como voluntário do Peace Corps ou trabalhou com o Peace Corps em outras funções? Preencha essa pesquisa. Isso não deve levar mais de dez minutos e todas as respostas são confidenciais. Se tiver dúvidas, escreva para o e-mail rotary.service@rotary.org.

___

Relacionado: